X

NOTÍCIA

Estudantes da FAHOR participaram do Hackathon para resolver desafios do agronegócio

Publicada em: 30/04/2018 | Assessoria de Comunicação FAHOR

A Agência de Desenvolvimento de Santa Rosa (AD) e AGCO, em parceria com a Fenasoja, promoveram uma maratona para resolver os novos desafios do Agronegócio. Internacionalmente conhecido como Hackathon, o termo em tradução livre significa maratona de programação.

E como são áreas do conhecimento dos estudantes de engenharia da Faculdade Horizontina, um grupo de estudantes se preparou para enfrentar o desafio que reuniu  profissionais e estudantes de diferentes áreas a fim de buscar uma solução viável para o setor do agronegócio, que é o tema desta Maratona.

Duas equipes representaram a FAHOR no Desafio: Equipe Orizzonte, que vem do grego e quer dizer energia, positividade e a equipe Tecno Agro.

O problema a ser resolvido somente foi divulgado na abertura do Hackathon, no sábado, dia 28 de abril: Como aproximar mais a indústria 4.0 do agronegócio?

O desafio foi apresentado por um dos diretores da AGCO Santa Rosa, Denis Dutra de Oliveira. Com o problema apresentado, algumas informações foram repassadas aos jovens participantes para que pudessem contextualizar o problema com o perfil de clientes e qualidade de vida do campo. Um convite para conhecer os estandes da Exporural, junto a Fenasoja, especialmente a nova colheitadeira da AGCO, que usa a realidade virtual, foi externado aos participantes, com o objetivo de auxiliar na pesquisa para desenvolver a solução.

Os projetos foram apresentados na tarde de domingo, às 15 horas e às 18 horas, foram anunciadas as três equipes vencedoras.

Para os estudantes da FAHOR que participaram do Hackathon a experiência e o aprendizado nessas 24 horas foi muito importante para a carreira acadêmica e trouxe novas formas de pensar sobre os desafios que eles encaram, na Faculdade. “Memsom não alcançando as primeiras classificações, estamos felizes por ter participado de um evento como foi esse Hackathon. Esse desafio de criar uma solução inédita, que pudesse aumentar a produtividade, reduzir custos, ser sustentável e envolver as pessoas do campo,  nos fez pensar muito!”, comentou a estudante de Ciências Econômicas, Bruna Ruschel.